Artigo Original
Página 125 a 131
 

Estado nutricional de pacientes em hemodiálise no Hospital Universitário de Goiânia-Go

Nutritional status of patients undergoing hemodialysis at Hospital Universitário de Goiânia

 


Autores: Ana Tereza Vaz de Souza Freitas1, Inaiana Marques Filizola Vaz2, Nélida Schmid Fornés3

 

Descritores: hemodiálise, avaliação nutricional, composição corporal.

 

Descriptors: hemodialysis, nutritional assessment, body composition.

Resumo:
Introdução: A desnutrição contribui para elevar a morbimortalidade nos pacientes em hemodiálise. Objetivo: Avaliar o estado nutricional de pacientes em hemodiálise de um hospital universitário em Goiânia-GO. Métodos: Estudo transversal com 24 homens e 14 mulheres, com média de idade de 44,53 ± 16,15 anos. A avaliação nutricional incluiu medidas antropométricas (índice de massa corpórea - IMC; circunferência do braço - CB; circunferência muscular do braço - CMB; gordura corporal por dobras cutâneas - DC), albumina sérica e consumo alimentar (3 recordatórios de 24 horas). Utilizou-se estatística descritiva e coeficiente de correlação de Pearson. Resultados: De acordo com IMC, CB e CMB, 55%, 63,2% e 50% dos pacientes estavam em adequação nutricional, respectivamente. Segundo o IMC, 28,9% dos pacientes apresentaram baixo peso (IMC < 18,5 kg/m2) e 15,8%, excesso de peso (> 25 kg/m2). A albumina apontou desnutrição leve (3,0 - 3,9 g/dL) em 55,3% dos pacientes. A CB indicou desnutrição em aproximadamente 35% dos pacientes (percentil < 5). A CMB revelou perda de massa muscular em metade do grupo (percentil < 5), e as mulheres apresentaram excesso de gordura corporal (> 30%). A ingestão energética média foi de 28,7 kcal/kg/dia e proteica de 1,04 g/kg/dia. Não houve correlação entre proteína C-reativa e albumina (r = - 0,003), ingestão calórica (r = 0,06) e proteica (r = 0,12). A albumina sérica não se correlacionou com a ingestão calórica (r = 0,21) e nem com a ingestão proteica (r = 0,25). Conclusão: A desnutrição esteve presente independente do parâmetro utilizado. O consumo energético-proteico inferior às recomendações pode ter contribuído para a desnutrição observada nesses pacientes.

Abstract:
Introduction: Malnutrition contributes to the increase of morbimortality in patients undergoing hemodialysis. Objective: To assess the nutritional status of hemodialysis patients from a University Hospital in Goiânia-GO. Methods: A transversal study with 24 men and 14 women, mean age 44.53±16.15 years old. Nutritional assessment included anthropometric measurements (body mass index - BMI; arm circumference - AC; arm muscle circumference - AMC; body fat by skin fold - SF), serum albumin and food intake (3 recalls of 24 hours). It was used descriptive statistics and Pearson's correlation coefficient. Results: According to BMI, AC and AMC, 55%, 63.2% and 50% of the patients were at nutritional adequacy, respectively. According to the BMI, 28.9% of patients were underweight (BMI <18.5 kg/m2) and 15.8% were overweight (>25 kg/m2). The albumin showed mild malnutrition (3.0 to 3.9 g/dL) in 55.3% of patients. The AC indicated malnutrition in 35% of patients (percentile < 5). The AMC showed loss of muscle mass in half of the group (percentile <5) and women showed an excess of body fat (>30%). The mean energy intake was 28.7 kcal/kg/day and protein 1.04 g/kg/day. There was no correlation between C-reactive protein and albumin (r = -0.003), caloric intake (r=0.06) and protein (r=0.12). Serum albumin did not correlate with caloric intake (r=0.21) neither with protein intake (r=0.25). Conclusion: Malnutrition was present regardless of used parameter. The energy-protein consumption inferior to the recommendations may have contributed to the malnutrition observed in these patients.

INTRODUÇÃO

A doença renal crônica tornou-se um problema de saúde pública global, provocando morbimortalidade elevada.1 O censo 2007 da Sociedade Brasileira de Nefrologia2 estimou em 73.605 o número de pacientes em diálise no Brasil, 8% na região Centro-Oeste. Deste total, 90,8% estavam em hemodiálise.

A desnutrição proteico-energética contribui para o risco aumentado de mortalidade nos pacientes em hemodiálise (HD), com prevalência entre 10 e 76%.3,4 Além disso, favorece uma pior evolução clínica, quadros infecciosos, dificulta a reabilitação e compromete a qualidade de vida.5,6 Detectar e tratar precocemente as deficiências nutricionais pode atenuar ou evitar essas complicações e melhorar a expectativa de vida desses pacientes.7

A adequação do estado nutricional é um dos principais objetivos do tratamento de pacientes em hemodiálise.8,9 A avaliação nutricional é essencial para prevenir, diagnosticar e tratar a má nutrição e fornecer suporte para a prescrição dietética.3,7 Assim, propôs-se a realização desse trabalho com o objetivo de avaliar o estado nutricional de pacientes em hemodiálise regular no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás.


MÉTODOS

Estudo transversal realizado na unidade de hemodiálise do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC/UFG), no segundo semestre de 2006 e primeiro de 2007, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Humana e Animal do HC/UFG. Do total de 64 pacientes tratados na unidade de hemodiálise, 38 atenderam aos critérios de inclusão: > 18 anos, mínimo de 3 meses em hemodiálise, não institucionalizados, sem infecções recentes (< 3 meses), não portador de síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), doenças neoplásicas, cardíacas e pulmonares graves. A história clínica foi obtida de prontuário (etiologia, comorbidades, tempo de hemodiálise, idade).

O protocolo de avaliação nutricional foi aplicado por nutricionistas treinadas e incluiu antropometria, exames laboratoriais e investigação do consumo alimentar.

As medidas antropométricas foram realizadas pelo mesmo observador, após a sessão de hemodiálise intermediária da semana. O peso foi obtido em balança eletrônica (Filizola®, São Paulo, Brasil), e a estatura foi aferida por estadiômetro Plena®, segundo Jelliffe.10 O índice de massa corpórea (IMC), obtido por peso (kg)/altura2 (m), foi classificado segundo a Organização Mundial de Saúde.11 A circunferência do braço (CB) foi aferida por fita inextensível segundo a técnica de Callaway et al.12 e distribuída em percentis conforme Frisancho.13 A circunferência muscular do braço (CMB) foi utilizada para avaliação da massa magra e calculada pela equação CMB = CB (cm) - {3,14 x [DCT (mm) ÷ 10]}, utilizando Frisancho13 como referência.

O estado nutricional, a partir dos percentis da CB e CMB, foi classificado de acordo com Blackburn e Harvey14 (percentil < 5: desnutrição; percentil 5,1 - 94,9: adequado; e percentil > 95: acima da normalidade).

Para avaliação da gordura corporal foram medidas as dobras cutâneas (DC) do bíceps, tríceps, subescapular e suprailíaca, utilizando o adipômetro de Lange skinfold caliper (Cambridge, MD) segundo a técnica de Harrison et al..15 O percentual de gordura corporal foi estimado pelo somatório das 4 DC, utilizando as equações de Durnin e Womersley16 e Siri,17 com ponto de corte de 25% para homens e 30% para mulheres.18

A albumina sérica foi empregada para classificação nutricional, conforme citado por Martins19 (adequado > 4 g/dL; desnutrição leve 3,0-3,9 g/dL; desnutrição moderada 2,1-3,0 g/dL e desnutrição grave < 2,1 g/dL). O sangue foi coletado antes da sessão de hemodiálise e analisado pelo método colorimétrico. A proteína C-reativa (PCR), obtida pelo método imunoturbidimétrico com látex (referência 0 - 0,5 mg/dL), foi utilizada para avaliação de estado inflamatório. A eficiência da diálise foi estimada pelo índice de remoção da ureia (Kt/V), utilizando a fórmula de Daugirdas II.20

O consumo alimentar foi avaliado pelo recordatório de 24 horas (R24h) de 3 dias alternados, sendo um no dia da sessão de hemodiálise e dois no período interdialítico, excluindo-se o sábado e o domingo. As quantidades ingeridas foram registradas em medidas caseiras e convertidas em gramas (g) ou mililitros (mL), utilizando a tabela de Pinheiro et al..21 Para o cálculo do consumo médio de energia, proteína, cálcio, ferro, fósforo e potássio, foi elaborado um programa em planilha Excel/Microsoft com dados de várias tabelas brasileiras de composição química de alimentos, para atender às necessidades do estudo. Os resultados foram comparados às recomendações específicas para pacientes em hemodiálise.19

A análise dos dados foi realizada em pacote estatístico SPSS versão 8.0 para Windows (SPSS, Inc. Chicago). As variáveis categóricas foram expressas em frequências e percentuais, e as contínuas, em média e desvio-padrão ou mediana. Utilizou-se coeficiente de correlação de Pearson, p < 0,05.


RESULTADOS

Dos 38 pacientes, 63,2% (n = 24) eram do sexo masculino. A média de idade foi de 44,53 ± 16,15 anos. O tempo de hemodiálise foi em média 46,37 ± 43,3 meses. A média de IMC de mulheres (23,04 kg/m2) e homens (21,27 kg/m2) indicou eutrofia. As mulheres apresentaram excesso de gordura corporal pelas dobras cutâneas. A mediana de PCR foi de 0,28 mg/dL (0,15 - 0,48) e 15,8% dos pacientes apresentaram níveis acima da referência de 0,5 mg/dL (Tabela 1). A média de albumina sérica foi de 3,8 ± 0,3 g/dL (Tabela 1), e 57,9% dos pacientes apresentaram níveis abaixo de 4 g/dL (Tabela 2).






Quanto à etiologia da DRC, predominou a glomerulonefrite crônica (23,7%), seguida da nefropatia diabética (21%) e nefroesclerose hipertensiva (18,4%).

Na Tabela 2, observou-se que, pelo IMC, 55,3% dos pacientes estavam eutróficos, 28,9% apresentavam baixo peso e 15,8% excesso de peso. Segundo a CB, quase 35% dos pacientes apresentaram desnutrição. Pela CMB, metade dos pacientes demonstrou perda de massa muscular.

De acordo com a Tabela 3, o grupo estudado apresentou ingestão média de 28,7 kcal/kg/dia, 1,04 g de proteína/kg/dia e baixo consumo médio de cálcio (288,88 mg/dia). Cerca de 82% dos pacientes apresentaram ingestão de energia menor que a recomendação de 35 kcal/kg/dia, e pouco mais de 70% apresentaram ingestão proteica abaixo da recomendação de 1,2 g/kg/dia.




A Tabela 4 demonstra que não houve correlação entre IMC e albumina, assim como entre proteína C-reativa e albumina (r = - 0,003), ingestão calórica (r = 0,06) e proteica (r = 0,12). A albumina sérica também não se correlacionou com a ingestão calórica (r = 0,21) e nem com a ingestão proteica (r = 0,25).




DISCUSSÃO

No grupo estudado, houve predominância de indivíduos do sexo masculino. A média de idade indicou um grupo jovem em hemodiálise, assemelhando-se aos resultados de estudos de várias regiões do Brasil4,22,23,24 e diferenciando-se de estudos internacionais, nos quais a média de idade é maior, variando de 51 a 62 anos, em países como Austrália, França e Espanha.8,25,26

A principal etiologia da DRC foi a glomerulonefrite crônica, de acordo com o encontrado no Norte e Nordeste4,22,24 do Brasil e contrário ao observado no Sul, onde a nefroesclerose hipertensiva aparece em primeiro lugar,27 e nos Estados Unidos, onde o diabetes foi a causa principal.28

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL

Embora a média de IMC do grupo tenha se situado na faixa de eutrofia, ao se analisar a distribuição quanto aos pontos de corte, o IMC revelou ocorrência de baixo peso (< 18,5 kg/m2) em um terço dos pacientes, superando o encontrado em outras regiões do Brasil (2 a 18,9%)4,22,23,24 e inferior ao observado no Chile (38%).29 Um estudo realizado nos Estados Unidos e na Europa30 (n = 9.714) apontou maior mortalidade em pacientes com IMC < 20 kg/m2 quando comparados a pacientes com IMC > 30 kg/m2. Portanto, a manutenção de um IMC mais próximo do ponto de corte superior para eutrofia pode ser interessante. O excesso de peso pelo IMC (? 25 kg/m²) também foi encontrado na população avaliada, porém menos frequente que a eutrofia e o baixo peso.

Apesar da maioria dos pacientes estar eutrófica de acordo com IMC e CB, a análise da CMB identificou comprometimento da massa muscular em metade do grupo, enquanto que o somatório de dobras cutâneas demonstrou excesso de gordura corporal no sexo feminino.

De acordo com Chumlea,9 a perda de massa muscular é frequente entre os pacientes em hemodiálise, resultante de fatores como hipercatabolismo, acidose metabólica e consumo alimentar insuficiente. Isto reforça a necessidade de um acompanhamento nutricional especializado para contribuir com a promoção do ganho de massa magra.

Embora alguns estudos sugiram que o excesso de gordura corporal possa trazer algum benefício para a sobrevida do paciente em hemodiálise, outros referem que este excesso pode se tornar perigoso devido à associação com doença cardiovascular (DCV),31 considerada a principal causa de morte entre esses pacientes, sendo de 2 a 4 vezes maior do que na população em geral.32 O excesso de gordura corporal seria vantajoso para a sobrevivência do paciente em diálise se a massa magra estivesse normal ou aumentada.31,33 Beddhu33 destaca que "se gordura é boa, músculo é ainda melhor".

Neste estudo, pela análise da albumina, mais da metade da população apresentou desnutrição, predominando a forma leve, semelhante ao encontrado por Cardoso et al..27 A hipoalbuminemia é um marcador da síndrome de má nutrição-inflamação e forte preditor de morte cardiovascular em pacientes em hemodiálise.5,34,35,36 O risco de mortalidade nesses pacientes é mais elevado quando a albumina sérica é < 4,0 g/DL.7,37 Kalantar-Zadeh et al.34 encontraram vantagens na sobrevida de pacientes em hemodiálise com albumina sérica > 3,8 g/dL e diminuição na morte cardiovascular para albumina > 4,4 g/dL. Neste estudo, 60,5% dos pacientes apresentavam albumina sérica superior a 3,8 g/dL, o que seria positivo para a sobrevida destes indivíduos.

A hipoalbuminemia pode resultar da combinação entre inflamação e ingestão proteico-calórica inadequada. Por sua vez, a inflamação pode induzir à anorexia, reduzir a utilização efetiva de proteínas e calorias ingeridas e aumentar a degradação da albumina, contribuindo para a desnutrição nos pacientes em hemodiálise.36 Neste trabalho, a análise da proteína C-reativa não demonstrou presença de inflamação nem correlação com albumina, ingestão calórica e ingestão proteica, sugerindo que a desnutrição observada poderia ser revertida com adequado suporte nutricional.38

Para o grupo avaliado, apesar de não ter sido encontrada correlação entre albumina sérica e ingestão calórica, nem entre albumina sérica e ingestão proteica, ressalta-se a importância em manter o consumo alimentar dentro das recomendações específicas para essa população, visando preservar ou melhorar os parâmetros nutricionais em geral.

AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR

Considerando que a anorexia pode estar relacionada à diálise inadequada, a avaliação da adequação dialítica deve ser incluída na investigação da anorexia em pacientes em hemodiálise.39 Neste estudo, o índice de remoção da ureia (Kt/V) esteve adequado.

Uma relevante causa de desnutrição entre os pacientes em estágio final de DRC é a inadequada ingestão de nutrientes. Geralmente, esse grupo apresenta um balanço negativo entre ingestão alimentar e necessidades nutricionais, com um percentual elevado de pacientes consumindo em torno de 25 a 30 kcal/kg/dia na maioria dos estudos,6 o que contribui para a redução das reservas de gordura e massa magra.7,35

A análise do consumo alimentar neste estudo revelou que a ingestão de energia e proteína foi inferior à recomendação mínima de 35 kcal/kg/dia e 1,2 g de proteína/kg/dia. Comparando com estudos nacionais, observou-se que a média de consumo energético é semelhante àquela encontrada no Amazonas,4 maior que a de Blumenau23 e Vitória40 e menor que a de Pernambuco22 e Sobral.26 Em nenhum destes trabalhos, a média de consumo energético atingiu as recomendações mínimas para pacientes em hemodiálise.4,23,25,26,29,40

O consumo proteico inferior à recomendação tem sido verificado em outros estudos,23,29 com média entre 0,6-1,0 g/kg. Uma ingestão proteica inferior a 1,2 g/kg deixa os pacientes em risco de desnutrição proteica.6 A baixa ingestão de proteína associada ao menor consumo energético e aos efeitos catabólicos da hemodiálise pode resultar em balanço nitrogenado negativo.4,6 Apesar de a distribuição dos macronutrientes estar dentro das recomendações para pacientes em hemodiálise, ressalta-se um consumo médio de carboidratos no limite mínimo e de lipídios no limite superior da recomendação.

A baixa ingestão de cálcio parece ser comum entre os pacientes em hemodiálise. O consumo médio de cálcio em alguns estudos nacionais variou de 300-570 mg/dia4,22,23 e, neste trabalho, foi ainda menor (288 mg/dia), muito inferior à recomendação de 1.000-1.500 mg/dia.7 Uma possível explicação seria a restrição de produtos lácteos na tentativa de controlar os níveis de fósforo, uma vez que estes minerais são encontrados nas mesmas fontes alimentares. Apesar do baixo consumo de cálcio, os níveis séricos estavam adequados. A absorção do cálcio não dietético, presente nos quelantes de fósforo (acetato ou carbonato de cálcio) recebidos por 36,84% dos pacientes, e a suplementação de vitamina D ativa, por 21,05%, podem ter contribuído para esse resultado.

Também se observou baixa ingestão média de fósforo em comparação com outros estudos,4,22,23 o que pode estar relacionado ao menor consumo proteico já referido. O baixo poder aquisitivo é outro fator que dificulta o acesso a produtos ricos em proteínas, por terem maior custo, o que também contribuiu para o menor consumo de proteína e fósforo. Para ferro e potássio, verificou-se consumo muito próximo aos limites mínimos da recomendação.


CONCLUSÃO

A desnutrição esteve presente no grupo avaliado independente do parâmetro utilizado. Uma análise global dos dados indica maioria eutrófica pelo IMC, porém com diminuição da massa muscular e um excesso de gordura corporal no sexo feminino. O consumo energético-proteico inferior às recomendações pode ter contribuído para a desnutrição observada nesses pacientes.


REFERÊNCIAS

1. NKF-KDOQI. National Kidney Foundation. Clinical practice guidelines for nutrition in chronic renal failure.www.kidney.org/professionals/KDOQI. Acesso em 25/05/2007.

2. Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Censo 2007 da Sociedade Brasileira de Nefrologia. www.sbn.org.br. Acesso em 25/04/2008.

3. Afsar B, Sezer S, Arat Z, Tutal E, Ozdemir FN, Haberal M. Reliability of mini nutritional assessment in hemodialysis compared with subjective global assessment. J Renal Nutr 2006;16:277-82.

4. Valenzuela RGV, Giffoni AG, Cuppari L, Canziani MEF. Estado nutricional de pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise no Amazonas. Rev Assoc Med Bras 2003;49:72-8.

5. Pupim LB, Ikizler TA. Assessment and monitoring of uremic malnutrition. J Renal Nutr 2004;14:6-19.

6. Toigo G, Aparicio M, Attman PO, Cano N, Cianciaruso B, Engel B, et al.. Expert working group report on nutrition in adult patients with renal insufficiency (part 1 of 2). Clin Nutr 2000;19:197-207.

7. Martins C, Riella MC. Nutrição em hemodiálise. In: Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001. p.114-131.

8. Bayo MP, Granados JJQ, Ortega AO, Peinado CA, Lópes MJO, Serrana HLG, et al.. Estudio longitudinal del índice de massa corporal (IMC) em pacientes em diálisis. Nutr Hosp 2006;21:155-62.

9. Chumlea WC. Anthropometric and body composition assessment in dialysis patients. Sem dial 2004;17:466-70.

10. Jellife DBE. Del estado de nutricion de la comunidad. Organización Mundial de la Saude (OMS). Ginebra, 1968.

11. WORD HEALTH ORGANIZATION. Obesity. Preventing and managing the global epidemic. Geneva: report of a WHO consultation on obesity; 1997.

12. Callaway CW, Chumlea WC, Bouchard C, Himes JH, Lohman TG, Matin AD, et al. CDRCunferences. In: Lohman TG, Roche A F, Martorell R. Antropometric standardization reference manual. Illinois: Human kinetics books; 1988. p. 39-54.

13. Frisancho AR. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. Am J Clin Nutr 1981;34:2540-45.

14. Blackburn GL, Harvey KB. Nutritional assessment as a routine in clinical medicine. Postgraduate medicine 1982;71:p.46-63.

15. Harrison GC, Buskirk ER, Carter JEL, Johnston F, Lohman TG, Pollock ML, et al.. Skinfold thicknesses and measurement techinique. In: Lohman Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Antropometric standardization reference manual. Illinois: Human kinetics books; 1988. p. 55-70.

16. Durnin JVG, Womersley P. Body fat assessesd from total body density and its estimation from skinfold tickness: measurement in 481 men and women aged from 16 to 72 years. Br J Nutr 1974;32:77-9.

17. Siri WE. Body composition from fluid spaces and density analysis of methods. In: Brozek J, Henschel A, eds. Techniques for measuring body composition. Washington, DC: National research Council; 1961:p.223-244.

18. Kamimura MA. Avaliação nutricional. In: Cuppari L. Nutrição clínica no adulto. 2 ed. São Paulo: Manole; 2005. p.89-127.

19. Martins C. Protocolo de procedimentos nutricionais. In: Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001. p.311-44.

20. Daugirdas JT. Second generation logarithmic estimates or single pool variable volume Kt/V: an analysis of error. J Am Soc Nephrol 1993; 4:1205-13.

21. Pinheiro ABV, Lacerda EMA, Benzecry EH, Gomes MCS, Costa VM. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. São Paulo: Atheneu; 2002.

22. Cabral PC, Diniz AS, Arruda IKG. Avaliação nutricional de pacientes em hemodiálise. Rev Nutr 2005;18:29-40.

23. Batista T, Vieira IO, Azevedo LC. Avaliação nutricional de pacientes mantidos em programa de hemodiálise crônica. J Bras Nefrol 2004; 26:113-20.

24. Santos PR, Coelho MR, Gomes NP, Josué CEP. Associação de indicadores nutricionais com qualidade de vida em pacientes portadores de doença renal crônica em hemodiálise. J Bras Nefrol 2006;28:57-64.

25. Rutledge C, McMahon LP. Relationship between dialysis and nutritional adequacy in haemodialysis patients. Nephrology 2000;5:27-32.

26. Chasot C, Von-Van C, Blanc C, Hurot JM, Jean G, Vanel T, et al.. Stability of nutritional parameters during a 5-year follow-up in patients treated with sequential long-hour hemodialysis. Hemodial Int 2006;10:389-93.

27. Cardoso MT, Vieira IO, Campanella LCA. Alterações nutricionais em pacientes renais crônicos em programa de hemodiálise. Rev Bras Clin 2006;21:284-89.

28. Riella MC, Pecoits-Filho R. Insuficiência renal crônica: fisiopatologia da uremia. In: Riella MC. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p.661-690.

29. Huidobro AM, Velasco N, Rojas, TM. Prevalencia de desnutricion calórico proteica em pacientes hemodializados crônicos. Rev méd Chile 2001;129:495-502.

30. Combe C, McCullough KP, Asano Y, Ginsberg N, Maroni BJ, Pifer TB. Kidney Disease Outcomes quality Iniciative (KDOQI) and the dialysis outcomes and practice patterns study (DOPPS): nutrition guidelines, indicators, and practices. Am J Kidney Dis 2004; 44(suppl 2):s39-s46.

31. Sarkar SR, Kuhlmann MK, Khilnani R, Zhu F, Heymsfield SB, Kaysen GA et al.. Assessment of composition in long-term hemodialysis patients: rationale and methodology. J Renal Nutr 2005;15:152-8.

32. Tarsitano F, Lemos CCS, Nóbrega AM, Silva MIB, Castro MC, Nucera AP. Comparação de doença renal crônica em pacientes com e sem transplante renal. J Bras Nefrol 2005;27:173-178.

33. Beddhu S. If fat is good, mulcle is better. Am J Kidney Dis 2006; 47:193-7.

34. Kalantar-Zadhe K, Kilpatrick RD, Kuwae N, Mcallister CJ, Alcorn Jr H, Kopple JD et al.. Revisiting mortality predictability of serum albumin in the dialysis population: time dependency, longitudinal changes and population-attributable fraction. Nephrol Dial Transplant 2005;20:1880-88.

35. Santos NSJ, Draibe AS, Kamimura MA, Cuppari L. Albumina sérica como marcador nutricional de pacientes em hemodiálise. Rev Nutr 2004;17:339-49.

36. Don BR, Kaysen GA. Serum albumin: relationship to inflammation and nutrition. J Nephrol 2004;17:432-37.

37. González MT, Arango JJ. Concordancia entre índice de massa corporal y albúmina como método diagnóstico de desnutrición en pacientes en diálisis. Acta Med Colomb 2006;31:56-59.

38. Locatelli F, Fouque D, Heimburger O, Drüeke IB, Cannata- Andia JB, Horl WH et al. Nutritional status in dialysis patients: a european consensus. Nephrol Dial Transplant 2002;17:563-72.

39. Boxall MC, Goodship THJ. Nutritional requirements in hemodialysis. In: Mitch WE, Klahr S. Handbook of nutritional and the kidney. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2005. p.218-27.

40. Morais AAC, Silva MAT, Faintuch J, Vidigal EJ, Costa RA, Lyrio DC et al.. Correlation of nutritional status and food intake in hemodialysis patients Clinics 2005; 60:185-92.










1. Universidade Federal de Goiás
2. Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás
3. Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Goiás

Correspondência para:
Ana Tereza Vaz de Souza Freitas
Rua Senador Domingos Velasco Q17 L47 nº 704 - Setor Pedro Ludovico
Goiânia - Goiás - CEP: 74820-110
Tel: (62) 3278-4430 / (62) 8445-7830
E-mail: nutrianna@hotmail.com

Declaramos a inexistência de conflitos de interesse.

Data de submissão: 15/02/2008
Data de aprovação: 04/05/2009